José Silvano explica-se sobre noticiadas faltas ao plenário

José Silvano explica-se sobre noticiadas faltas ao plenário

José Silvano pediu ao presidente da Assembleia da República que lhe marcasse duas faltas, nos passados dias 18 e 24 de outubro, depois de confirmada a utilização da sua password por outra pessoa.
É a reação do deputado do PSD eleito por Bragança e secretário-geral do partido laranja, que surgiu, esta terça-feira, em comunicado, depois de o jornal Expresso ter noticiado duas presenças fantasma no Parlamento no mês de outubro.

Quanto às faltas não justificadas ao plenário nos dias 18 e 24 de outubro, Silvano diz ter dirigido um requerimento ao Presidente da Assembleia da República, solicitando que fossem marcadas as respetivas faltas. “Justifiquei também as razões para que tal procedimento não tivesse ainda ocorrido”, escreve José
Silvano em comunicado dirigido à imprensa, mas onde não dá conta dessas razões.
José Silvano esclarece que no dia 18 de outubro assinou o livro de presenças do Grupo Parlamentar do PSD, ocorrido nessa manhã, o que lhe confere o direito ao pagamento da senha desse dia. Quanto ao dia 24 de outubro, o secretário-geral do PSD diz que presidiu à reunião da primeira comissão no Parlamento, o que também lhe dá direito à senha de presença.

“São, portanto, falsas as notícias que dão nota de que os registos nos plenários de 18 e 24 de outubro tiveram como motivo o recebimento de verbas não devidas”, salienta Silvano, justificando dessa forma que não é correto dizer que apenas registou presença no plenário para receber o respetivo montante, ou seja, 69 euros diários.
No comunicado, o deputado e secretário-geral do PSD justifica, contudo, que se passa “pouco tempo” no parlamento, é porque “existe uma prática parlamentar que permite conciliar a atividade política intensa dos dirigentes nacionais dos partidos políticos, nunca descurando as questões relevantes para o país, com a atividade parlamentar quotidiana”. “Esta prática é extensiva a todos os partidos políticos há muitos anos, caso contrário um líder partidário nunca poderia ser deputado”, diz ainda.
Sobre o mistério da password, José Silvano não esclarece o que aconteceu, de facto, no Parlamento e a forma como outro deputado terá usado a sua palavra-chave.

Também sobre este caso, esta terça-feira, o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, deu conta numa nota à imprensa de que pediu esclarecimentos aos serviços do Parlamento sobre a
situação de José Silvano, tendo os serviços confirmado que “outra pessoa que não o senhor deputado José Silvano” usou a “password” daquele deputado para registar a sua presença.

INFORMAÇÃO CIR (Terra Quente FM)

Relacionados

Comentar