“UR 12” deixam de apoiar o Clube Atlético de Macedo de Cavaleiros por tempo indeterminado

“UR 12” deixam de apoiar o Clube Atlético de Macedo de Cavaleiros por tempo indeterminado

São conhecidos por “UR 12” e são a claque que tem feito furor ao longo da época quer no futsal, quer no futebol Macedense.

A claque existe desde 2012, na altura foi criada por cerca de 12 elementos mas chegou a atingir os 200 apoiantes.

Uma forma de apoiar o desporto, explica Rui Pacheco (“Gemas”), co-fundador da claque:

“UR 12 significa Ultras e Revolução. Quando criámos a claque, foi a chamada revolução de 2012, foi formada em abril de 2012 e erámos à volta de 12 elementos, começou com uma brincadeira e ganhou esse nome. Queríamos ser a voz do desporto em Macedo, para apoiar todos os desportos, mas obviamente acabámos por ficar mais ligados ao Grupo Desportivo Macedense (GDM) e na altura, o treinador do Clube Atlético chamou-nos para irmos apoiar o clube contra o Mirandela, e a partir dai continuámos. Depois, o desporto acabou a nível de futebol onze mas continuámos no futsal, sempre com o espírito de apoiar os atletas da casa, obviamente os outros eram sempre bem recebidos, mas os UR 12 primam pela independência e não estamos ligados a qualquer clube. Somos completamente independentes de tudo.”

 

Depois de um interregno de cerca de um ano, a claque foi reativada por uma camada mais jovem e atualmente têm estado presentes no apoio às equipas Macedenses.

Agora, dizem que vão deixar de dar apoio à equipa sénior do Clube Atlético de Macedo de Cavaleiros por tempo indeterminado, e falam em discriminação por parte da equipa técnica para com os jogadores da casa.

Quem o diz é Tiago Alves (“Seco”), atual líder dos “UR 12”:

“Esta pausa deve-se a vários fatores, e um deles é o facto de no início da época a direção e equipa técnica terem dito que punham jogadores da terra a jogar, coisa que aconteceu nos primeiros jogos mas que, com o passar do tempo, deixou de acontecer. Ao longo das jornadas, os elementos em campo, da terra, iam sendo reduzidos. Decidimos ter esta pausa porque no passado domingo fomos ver o jogo, casuais, por já desconfiarmos que algo não estava bem. Quando chegámos percebemos que o onze inicial tinha sido todo alterado e que os jogadores da terra ficaram no banco, estavam a jogar nove jogadores de fora. É esse o motivo que nos obriga a abandonar o Clube Atlético. Ou a direção toma uma atitude relativamente a isto ou os UR 12 vão parar. Continuamos a estar presentes, mas sem bandeiras, sem bombos, sem cantos.

Talvez a equipa técnica tenha interesse em alguns jogadores de fora, talvez poder monetário. Algo que não podemos revelar para já.” 

 

Entretanto, a Onda Livre tem já agendada uma entrevista com o treinador do Clube Atlético, José Carlos Afonso, na qual serão abordados assuntos ligados ao funcionamento da equipa que, recordamos, regressou este ano ao futebol sénior.

 

Escrito por ONDA LIVRE 

Relacionados

Comentar