Plano de mobilidade do Tua deve avançar no verão de 2019

Plano de mobilidade do Tua deve avançar no verão de 2019

O Plano de Mobilidade do Tua, que prevê um sistema multimodal de transporte, entre o Tua e Mirandela, vai avançar no próximo Verão. Isso mesmo foi anunciado, esta terça-feira, em conferência de imprensa, na antiga estação da CP, em Mirandela, pelo presidente da administração da Agência de
Desenvolvimento Regional do Vale do Tua.
No início do ano, vão começar as intervenções na linha para garantir as condições de segurança à circulação do comboio que deve começar a circular no início do verão de 2019.

José Paredes, autarca de Alijó, e atual presidente da Agência de Desenvolvimento do Vale do Tua, assegura que o plano de mobilidade arranca no início do Verão de 2019:

“Foram dados passos muito importantes nestes últimos tempos no que toca ao plano de mobilidade do Vale do Tua. Os estudos e os projetos de execução estão concluídos e foi constituído, no início de novembro, um comité de seguimento de acompanhamento que é coordenado pela Secretaria de Estado das Infraestruturas para congregar e juntar vontades de todos os intervenientes para ver se o processo não derrapa mais e finalmente avança. 
As obras deverão arrancar até ao início do ano. O plano de mobilidade, tudo faremos para que inicie no início do próximo verão.”

 

Este PM é uma contrapartida, imposta pela Declaração de Impacte Ambiental, para compensar a construção da barragem de Foz-Tua – que já produz energia – e que submergiu 18 quilómetros da linha do Tua, onde o comboio deixou de circular, há 11 anos, desde o último de 4 acidentes com outras tantas vítimas mortais.
Trata-se de um investimento de 15 milhões de euros para a concretização de um sistema multimodal de transportes: um troço rodoviário de 4 quilómetros, entre a antiga estação ferroviária do Tua e a barragem. Uma ligação fluvial, de 19 quilómetros, entre a albufeira da barragem e Brunheda, e o troço ferroviário, até Mirandela, de 39 Kms.
É um acordo entre a ADRVT, a EDP e a Douro Azul, o operador privado que será responsável pela implementação do PM, que recebe cerca de 11 milhões de euros da EDP e que já adquiriu, há mais de um ano, os equipamentos turísticos – comboio e barcos – que estão prontos para começar a operar, mas aguarda pela autorização oficial, que só deve acontecer depois das obras na linha, impostas pela Infraestruturas de Portugal para garantir todas as condições de segurança, adianta o presidente da agência que integra os cincos municípios da área de abrangência da barragem (Alijó, Carrazeda de Ansiães, Mirandela, Vila Flor e Murça):

“Serão feitas obras na consolidação de taludes que estão perfeitamente identificados. Muito recentemente foi feita uma visita ao terreno por todas as entidades intervenientes para serem vistas as situações em que é necessário intervir de imediato. Está já estabilizado o estudo e encontrado o valor para a instalação de um sistema de blocos que poderá mitigar alguma eventualidade indesejável e para aligeirar a intervenção nos taludes.”

 

Confrontado com a demora no arranque do plano de mobilidade, que já estava previsto avançar há mais de dois anos, José Paredes admite que foi prematuro o anúncio do arranque das obras:

“Trabalhar com instituições que são verdadeiros impérios, como a IP e o IMT, não é fácil. Só sentando-nos todos à mesa é que nos conseguimos entender. A fase de arranque das obras foi anunciada prematuramente, mas agora, garanto que vai acontecer.” 

 

As obras na linha do Tua devem avançar no início do ano e devem estar prontas dentro de meio ano. A partir daí, acredita o presidente da agência, arranca o plano de mobilidade do Tua.

E a realização das intervenções ao longo da linha do Tua, é apenas uma das razões apontadas pela presidente da câmara de Mirandela para justificar a decisão de suspender a circulação das duas composições do Metro, entre Carvalhais e Cachão, na distância de 17 quilómetros, já a partir da próxima
segunda-feira.
Júlia Rodrigues revela que a alternativa passará pelo transporte rodoviário das populações, mantendo os mesmos horários do Metro:

“No próximo dia 17 de dezembro vamos suspender o transporte ferroviário que até agora tinha sido garantido pelo metro ligeiro de Mirandela. Vamos fazer o transporte e a mobilidade quotidiana em transporte rodoviário entre Carvalhais-Mirandela e Mirandela-Cachão, porque vão ser necessários melhoramentos na linha e também chegamos ao limite das próprias carruagens do metro ligeiro de Mirandela. O que queremos assegurar é que estejam reunidas as condições para que as equipas de manutenção possam trabalhar e que esteja tudo a postos para que no início do verão arranque este plano de mobilidade do Tua.”

 

E se a circulação do Metro vai estar suspensa provisoriamente, entre Mirandela e Cachão, até à realização das intervenções na linha, já o troço de cerca de 4 quilómetros entre Mirandela e Carvalhais vai ficar desativado definitivamente, adianta Júlia Rodrigues:

“O troço Mirandela-Carvalhais, por linha ferroviária, vai acabar. Estamos a equacionar a hipótese da ecopista que está preparada entre Mirandela-Macedo e Macedo-Bragança venha até Mirandela. Ou seja, ter a ecopista de 4km desde o centro de Mirandela até Carvalhais e de Carvalhais a Bragança.”

 

A presidente do Município de Mirandela adianta ainda que depois da realização das obras, e do arranque do plano de mobilidade, a Metro de Mirandela, que tem uma participação de 10% da CP, será dissolvida e as duas composições, bem como os funcionários, devem passar para a alçada do operador privado, para garantir a mobilidade quotidiana:

“Aquilo que é previsível é que as carruagens que estão afetas ao metro ligeiro de Mirandela, que já estão no limite da quilometragem possível, passem para a gestão do operador privado e que sirvam para a mobilidade quotidiana. O que posso assegurar é que neste momento vão parar na perspectiva de termos depois a operação do operador privado que trabalha com a agência.”  

 

O Metro de Mirandela vai parar, já a partir de segunda-feira. No troço entre Mirandela e Cachão será uma paragem provisória. Já entre Mirandela e Carvalhais, a circulação vai mesmo deixar de se fazer definitivamente.

 

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Terra Quente)  

barco turistico previsto para a ligação4

 

Relacionados

Comentar