Reclusos da cadeia de Izeda causam distúrbios por falta de tabaco

Reclusos da cadeia de Izeda causam distúrbios por falta de tabaco

Os reclusos do Estabelecimento Prisional de Izeda, em Bragança, causaram distúrbios, ontem depois do almoço. Segundo o presidente do sindicato nacional do corpo da guarda prisional, Jorge Alves, os reclusos recusaram-se a regressar às celas após o almoço e incendiaram caixotes do lixo:

“Os reclusos ameaçaram que não se iam deixar fechar e, no primeiro pavilhão, o da ala B, pegaram fogo a alguns caixotes do lixo.

No entanto, o encerramento decorreu normalmente às 12h45.

Os guardas tiveram que tirar os reclusos um a um e levámos para as suas alas.”

A situação está controlada, mas chegaram a ser chamados os guardas prisionais de folga para reforçar a segurança:

“Apesar desta alteração dos reclusos, a direção resolveu contactar todos os guardas que estavam de folga e férias para irem ao estabelecimento prisional porque os reclusos ameaçaram, durante a tarde, que não se iriam deixar fechar ao final do dia.”

Os incidentes ocorrem numa altura numa altura de greve dos guardas prisionais, que exigem a revisão do estatuto, actualização da tabela remuneratória, criação de novas categorias, um novo subsídio de turno, alteração dos horários de trabalho e novas admissões.

No entanto Jorge Alves afirma que a falta de tabaco pode ter sido a causa dos distúrbios:

“A greve é, de certa forma, aproveitada para justificar tudo e mais alguma coisa.

A verdade é que estes reclusos, há 15 dias atrás, decidiram ter o mesmo comportamento e agora queixam-se que não têm tabaco.

Há oito dias atrás, puderam adquirir tabaco através da cantina autorizada pelo colégio arbitral. Entretanto, como não tiveram mais cantina, agora, próximo ao fim de semana, lembraram-se de ameaçar a chefia e a direção do estabelecimento que não se deixariam fechar se o problema do tabaco não fosse resolvido. Porém, se este problema existe, é porque eles não foram organizados.”

Contactada a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, garantiu à CIR que “os reclusos regressaram às celas, após o almoço, sem recurso à força ou à utilização de meios coercivos”.

“A única ocorrência anómala, verificada até ao presente momento no Estabelecimento Prisional de Izeda, foi a de alguns papéis que foram queimados dentro de um caixote do lixo, situação imediatamente sanada”, assegura em esclarecimento enviado por email.

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)

Relacionados

Comentar