17 farmácias em risco de fechar no distrito de Vila Real

17 farmácias em risco de fechar no distrito de Vila Real

O distrito de Vila Real tem neste momento 17 farmácias em risco de encerramento, cinco enfrentam processos de insolvência e 12 apresentam processos de penhora.

O Presidente da Associação Nacional das Farmácias esteve no distrito onde dinamizou a recolha de assinaturas para a Petição à Assembleia da República “Salvar as Farmácias, cumprir o SNS”.

Paulo Cleto Duarte referiu que esta visita serviu para dar visibilidade às dificuldades as Farmácias que estão nas zonas mais desfavorecidas:

“O mais importante foi nós darmos visibilidade à concreta realidade das farmácias. As farmácias que no distrito de Vila Real servem todos os dias a população, muitas das vezes a população mais frágil e que está mais isolada de todo o resto, são aquelas que, em muitas das vezes, quem decide se esquece que hoje são um sustento essencial de acesso, quer aos medicamentos, quer de outros cuidados de saúde. Acho que a visibilidade que demos a estas farmácias acaba por reforçar a nossa agenda e a petição, para que se olhe para a sua génese de uma forma diferente. No distrito de Vila Real temos 63  farmácias, das quais 17 neste momento vivem grandes dificuldades de sobrevivência e é para isso que queremos chamar a atenção.”

O presidente da Associação Nacional de Farmácias considera que é preciso conhecer os problemas do sector e valorizar a rede de farmácias:

“Se existir um farmacêutico qualificado, próximo das pessoas, e que ao mesmo tempo, presta um conjunto de cuidados que as pessoas só conseguem aceder a grande distância, porque não aproveitar estas farmácias para acompanhar melhor os doentes crónicos, para alargar os tipos de serviços que elas podem prestar, melhorando a relação entre o farmacêutico e o médico? Porque não, por exemplo, permitir que as pessoas acedam a medicamentos nas farmácias, evitando assim de se descolarem aos hospitais?

Tudo aquilo que nós pedimos é que nos deixem trabalhar, aproveitando as farmácias e a qualificação que nelas existe. Se as pessoas trabalharem com as suas farmácias, seguramente que elas serão viáveis nestes locais que já perderam praticamente tudo. Se não as deixarem trabalhar e não olharem para elas, então aí sim vai ser muito difícil sobreviverem nos locais onde estão.”

Atualmente 679 farmácias em Portugal enfrentam processos de penhora e insolvência, o que corresponde a 23,2% da rede, de acordo com o barómetro Centro de Estudos e Avaliação em Saúde da Associação Nacional das Farmácias.

INFORMAÇÃO CIR (Universidade FM)

Relacionados

Comentar