DRAPN está no terreno a avaliar prejuízos da tempestade de granizo em Mogadouro

DRAPN está no terreno a avaliar prejuízos da tempestade de granizo em Mogadouro

A Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte está já no terreno a avaliar os estragos provocados pelo granizo que caiu no concelho de Mogadouro este sábado.

A tempestade afetou vinhas, oliveiras, hortas, cereais e amendoeiras em várias aldeias daquele concelho, e segundo o presidente da junta de Tó, uma das lesadas, garante que a maioria dos agricultores não têm seguro agrícola.

O presidente da câmara de Mogadouro, Francisco Guimarães, fala em prejuízos avultados e em muitos casos o trabalho de um ano inteiro perdido:

“Em grande parte do concelho, o granizo provocou graves prejuízos na parte agrícola. Não é possível contabilizar neste momento o número de pessoas afetadas, mas eu próprio posso dizer que nunca vi pedras de gelo assim, quase com o tamanho de ovos de galinha, a cair em Mogadouro.

A nossa preocupação neste momento é estar com os nossos agricultores que viram as suas culturas perdidas, para as quais andaram um ano inteiro a trabalhar. É de lamentar.”

Arminda Gomes, habitante de Zava, uma das aldeias atingidas pela tempestade, relata o fenómeno meteorológico que atingiu o concelho em pleno Verão:

“Aqui pareciam que eram balas que atiravam às portas, foi uma miséria muito grande.

As ruas da aldeia estavam repletas de granizo, assim como as terras, parecia uma nevada.

Por onde passou, foi uma miséria pois destruiu tudo. Nem quero olhar para o meu quintal porque era a única coisa que tinha, e tudo o que lá estava plantado ficou destruído.”

De recordar que corporação dos bombeiros de Mogadouro recebeu, durante a tarde de sábado, vários alertas para diferentes localidades devido a inundações e foi ainda necessário proceder ao derrube de árvores, junto da estrada, atingidas pela tempestade.

Entretanto os deputados do PSD eleitos pelo círculo de Bragança, Adão Silva e José Silvano, já questionaram o Ministro da Agricultura sobre os apoios que serão disponibilizados aos agricultores.

Lembrando que muitos pequenos agricultores não têm seguro agrícola, e perante os prejuízos provocados pelo fenómeno atmosférico excepcional, os deputados consideram imperativo prestar a ajuda pública necessária.

Foto: enviada por Sérgio Barrios para Meteo Trás os Montes

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)

Relacionados