Azeites transmontanos recebem medalha de ouro

 

O azeite transmontano está a ser cada vez mais reconhecido no país e no estrangeiro.

Prova disso são as medalhas de ouro que várias marcas da região têm obtido em concursos, dentro e fora de Portugal.

O Azeite Alfandagh obteve uma medalha de ouro no Concurso TerraOlivo, promovido em Israel.

Neste concurso participaram os melhores rótulos do Mediterrâneo, mas o vencedor foi o azeite português da MC Rabaçal e Aragão.

O responsável da empresa, Artur Aragão, justifica a medalha com a elevada qualidade do produto. 

“Nós estamos numa região que  é única em termos de produção de azeite, e temos de tentar ir pela qualidade”, explica. Artur Aragão diz que “ganhando prémios, participando em concursos, é que se consegue levar o nome de Trás-os-Montes e de Alfândega da Fé o mais longe possível”.

O empresário sente-se motivado com este galardão e já tem em vista um novo projecto, para Setembro.

O responsável diz que vai lançar “uma nova marca, um novo produto de uma forma única em Alfândega, completamente diferente daquilo a que estão habituados”, revela.

O presidente da Associação dos Olivicultores de Trás-os-Montes e Alto Douro, António Branco, diz que estas medalhas são o resultado de um trabalho que os produtores de azeite têm vindo a desnvolver ao longo do tempo.

Para o presidente da AOTAD, “existem dois ou três vectores fundamentais, sendo que o primeiro tem a ver como próprio olival”, uma vez que  “tem de ser tratado devidamente para que a azeitona tenha a qualidade que é necessária”. “Depois é necessário haver qualidade na transformação e um pormenor que é muito importante é a antecipação da colheita”, explica.

Apostar na qualidade parece ser a maneira mais fácil de chegar a mercados internacionais, como é o caso do Brasil, Estados-Unidos, Canadá e China.

 

Escrito por Brigantia (CIR)