Está aberto o concurso da concessão aérea transmontana

Já foi aberto o concurso público para a atribuição da concessão da ligação aérea entre Bragança, Vila Real, Viseu, Cascais e Portimão. O concurso foi lançado pelo governo na passada sexta-feira e publicado em Diário da República.

Uma notícia recebida com agrado pelo presidente do Município de Bragança, Hernâni Dias.

microfone profissional 4 (1)

“É com satisfação que sabemos agora que de fato foi aberto o concurso, algo que já ansiávamos há bastante tempo e que vem precisamente no sentido daquilo que tanto temos vindo a reclamar que é a reposição da ligação aérea de Bragança para Lisboa, embora num formato diferente daquele que inicialmente acontecia e que nós gostaríamos também que acontecesse no futuro mas vale mais tarde do que nunca e esperemos que esta ligação venha servir os interesses da população de Bragança, dos empresários, de todas as pessoas que de fato necessitam desta ligação para conseguirem ajudar o desenvolvimento da nossa terra.”

O presidente da Federação Distrital do PS de Bragança, Mota Andrade,  considera que os distritos de Bragança e Vila Real estão há demasiado tempo sem ligação aérea e critica a aterragem em Tires em vez de Lisboa, o que vai fazer com que a viagem seja mais demorada do que anteriormente.

microfone profissional 4 (1)

“Temos um reparo a fazer em relação aquilo que o governo vai levar á prática pelos vistos, como digo com 2 questões que estão digamos assim flagrantes, visíveis que é termos estado este tempo todo sem carreira aérea e agora a carreira aérea vem mas ainda não sabemos preços, nem sabemos como vão ser feitas as compensações aos passageiros, mas independentemente disso a carreira aérea vir e para cada lado demorar cerca de 1 hora a mais o que nos tempos que correm nós parece ainda muito tempo. Obviamente que esta é a solução que o governo entende como possível, que o partido socialista acha que é uma solução que prejudica os transmontanos em particular, como acabei de dizer é mais 1 hora de viagem e é o desconforto de invés de aterrar em Lisboa ter que ir aterrar a Tires e ter que levantar voo a Tires.”

Já José Silvano, presidente da Distrital de Bragança do PSD, José Silvano congratula-se com a abertura do concurso mas critica, no entanto a demora no processo de restabelecimento da ligação aérea a Bragança.

microfone profissional 4 (1)

“Tenho que dizer que este processo podia ter andado mais rapidamente porque ainda teremos que esperar agora mais uns meses pelo prazo do concurso e pela adjudicação, o que quer dizer que já estamos quase há 3 anos sem ligação aérea entre Bragança e Lisboa e com os prejuízos que isso tem para os cidadãos de Bragança, os empresários daqui e para os intelectuais que querem se deslocar a Bragança. Mais vale tarde do que nunca é verdade mas por um lado congratulo, por outro achava que isto podia andar mais depressa para se concretizar esta ligação.”

Bragança está sem ligação aérea a Lisboa desde Novembro de 2012. Em Dezembro de 2014, o Conselho de Ministros aprovou uma despesa máxima de 7,8 milhões de euros para a concessão da rota.

Já em Janeiro, o Estado revelou numa retificação que apenas poderá pagar, em 2015, no máximo, 650 mil euros à transportadora aérea que vier a ganhar a concessão. O valor restante será pago em três prestações, cerca de 2,6 milhões de euros no próximo ano, o mesmo em 2017 e em 2018, o montante  máximo consignado no diploma é de 1,95 milhões de euros. Os interessados na concessão têm agora 47 dias para apresentarem as suas propostas.

 

Informação CIR (Rádio Brigantia)