Moradores do Bairro de São Francisco queixam-se de falta de água

Os moradores do Bairro de São Francisco, em Macedo de Cavaleiros, queixam-se que falta água nas torneiras ao final do dia. Há quem não tenho mesmo água da rede pública, nos pontos mais altos, há quem tenha tão pouca que não dê para evitar alguns constrangimentos.

Ao final da tarde, nas ruas do bairro, a situação é reportada pelos moradores.

reduzido 3

“Imagine vocês como é chegar do trabalho, querer tomar banho, e não ter como. Eu sou manobrador de máquinas, chego a casa cheio de terra, e é sempre a mesma miséria.”

“A água não tem pressão. Ao final do mês, pagamos água, e não a temos sempre.”

“Acontece muito. Não é sempre, mas às vezes, chego a casa, e é complicado para dar banho aos miúdos, pôr a máquina da roupa a lavar e para fazer o jantar. Acontece no verão, ou pelo menos este verão tem sido assim.”

“Ainda há pouco tempo, tivemos todo o dia sem água. Causa muitos constrangimentos, principalmente para cozinhar e tomar banho. Não conseguimos ligar a água quente, porque a água não tem pressão. Nos dias em que não há água, desenrascamos-nos muito mal. Há dias em que nem a loiça consigo lavar. E o meu marido trabalha na construção civil. Na parte dos banhos é complicado.”

Há moradores que garantem que a falta de água nos períodos noturnos se repete pelo terceiro verão consecutivo.

Duarte Moreno, o autarca local, admite que os munícipes têm razão, e deixa alguma explicações.

reduzido 3

“Os munícipes têm razão. Isso está, de facto, a acontecer. Temos algumas dificuldades, não só no que toca a fugas, mas também em perdas de água, que não sabemos onde acontecem.

Uma coisa que está a acontecer, e que é estranha, e que andamos de noite a tentar descobrir, é que o nosso consumo noturno é quase equivalente ao consumo diurno. O que significa que os nossos depósitos depois não chegam às capacidades máximas durante o dia. Daí os finais do dia serem os períodos mais problemáticas, principalmente nos prédios.

É verdade que isso acontece. Estamos a tratar da solução, principalmente destas fugas, para que os depósitos à noite compensem, e durante o dia possam manter sempre a mesma pressão.”

Diz ainda Duarte Moreno que é necessário cadastrar a rede, para mais facilmente perceberem onde está o problema.

O presidente da Câmara acrescenta ainda que esta situação acontece no verão por ser a época do ano em que a população do concelho aumenta, e, por consequência, aumenta o consumo de água.

reduzido 3

“Como estamos a consumir quase tanto de noite como de dia, o que significa que os depósitos, ao longo do dia, não conseguem manter sempre a mesma pressão.

E também significa que nesta altura triplicamos a nossa população. Basta olharmos para a Albufeira do Azibo e para as piscinas municipais, e deitar contas ao número de banhos diários de cada casa, por exemplo.

O consumo aumenta substancialmente, e os depósitos não têm capacidade de reposição.”

Os habitantes do Bairro de São Francisco, em Macedo de Cavaleiros, a queixarem-se da falta de água nas suas casas. Uma situação que acontece, segundo o relato dos populares, com grande frequência ao final do dia.

Escrito por ONDA LIVRE