Maria Lisboa comemora 40 anos de carreira e falou à Onda Livre

Ouça a entrevista aqui:

icon 2_reduzido

Fomos ao encontro do Maria Lisboa, para saber como está a correr a turné de 2016 assim como saber das novidades que a cantora preparou para assinalar os 40 anos de carreira.

40 anos de carreira e de muita música.

Maria Lisboa: “A digressão está a correr bem, tenho tido muitos espetáculos e estou muito cansada.

Agora vamos preparar o Coliseu e gostava que toda a gente lá estivesse. Acho que vai ser um espetáculo único, não sei se depois disso voltarei a cantar mas agora vou preparar-me seriamente para este concerto.

A digressão só acaba em dezembro mas gostava que todas as pessoas, por quem guardo carinho e que guardam carinho por mim, estivessem lá.

Portanto, eu peço a todos que estejam dia 8 no coliseu.

Nunca pensei que que o meu livro fosse para a 3ª edição. É uma obra dirigida às pessoas que estão em sofrimento, é contada toda a minha história. Penso ter já ajudado muita gente através deste livro e isso faz-me tão feliz que recebo dezenas e centenas de mensagens de pessoas que, com a minha fé, música e o livro, começaram a ver as coisas de forma diferente.

O livro que escrevi é uma história de vida com muito sofrimento. Nos últimos anos, o mundo caiu-me em cima, foi avassalador. Perder o meu filho foi algo para o qual ainda hoje não consigo encontrar explicação. Depois seguiu-se o meu pai e a minha doença. Durante 3 anos estive recolhida e, entretanto, já fui operada mais duas vezes.

Eu não consigo ler o meu livro. Estive muitas horas a escreve-lo e há páginas que eu não consigo mesmo ler, juro por Deus.”

Vamos agora deixar as tristezas de parte e falar de algo que deve ser um grande orgulho para ti. O teu álbum continua, a nível do top de vendas, nos 10 primeiros:

Maria Lisboa: “Sim, é verdade. É sinal de que as pessoas continuam a gostar da música, as Eu Tenho Fé em Deus e a da Nossa Senhora que também lá estão.

Penso que este disco foi uma viragem na minha vida.

Por isso é que às vezes eu digo às pessoas para não desistirem dos seus sonhos, lutarem, não se deixarem ir abaixo pois nunca é tarde para recomeçar. Se a nossa missão tiver que terminar, termina ali mas nunca é tarde para nós recomeçarmos.

Fiz e voltei a fazer êxito no nosso país e, como tal, gostava que as pessoas me vissem noutra vertente. Eu sou muito brincalhona, um furacão em palco. Mas sou uma mulher de muita fé.

Todos os dias antes de me deitar tenho de rezar.

Foi uma viragem muito grande na minha vida, foi uma aprendizagem, mas eu preferia ter o meu filho de volta pois não há nada que pague isso.

Todos os dias nos espetáculos aparecem mães que perderam os seus filhos, e eu digo que temos de seguir em frente e caminhar. Hoje choramos, amanhã caímos e depois levantamos, temos é de seguir em frente. Não temos alternativa sequer. A morte é certa pois há pessoas que não aguentam, mas temos de seguir em frente com fé, força e coragem, com a certeza que haverão pessoas amigas e é isso que eu quero que as pessoas façam.

Há muita gente que se queixa e não têm motivos. Pode ser que depois desse livro as pessoas não se queixem mais. Eu tive uma infância muito dolorosa, do mais penoso que um ser humano pode ter. Portanto, se as pessoas estão a ler o livro que vai para a 3ª edição, é sinal que ouviram a minha palavra, principalmente aquelas que estão em sofrimento, sozinhas, que estão na luta contra o cancro.

Eu já vi tantos homens a chorar ao pé de mim, abraçados a mim em lágrimas a dizer que a minha música é uma inspiração, quando se sentem tristes põe-na a tocar.

Eu faço isso. Quando estou deprimida ouço a Eu Tenho Fé em Deus, a Nossa Senhora e fico de alma cheia e com mais força, é inexplicável.

Se através da minha música e do meu livro conseguir ajudar milhares de pessoas, sou a pessoa mais feliz do mundo.”

 

É com essas palavras e mensagens que o público lhe transmite que se sente feliz em saber que há pessoas que, através da música da Maria Lisboa, tentam esquecer um pouco do sofrimento que estão a passar?

Maria Lisboa: “Exatamente. Não podemos perder a fé pois sem ela não se vai a lado algum.

Eu sou uma pessoa de muita fé, aconteça o que acontecer na minha vida, estou preparada para tudo.

Não há nada pior que me possa acontecer, agora, só a morte.

Gravei agora uma música muito bonita, o tema “Que Deus te Guarde”.

Quando chegou às minhas mãos ainda estava em esqueleto, não estava gravada, e quando eu olhei para ela as lágrimas correram-me pela cara abaixo, pois havia ali palavras que eu e o meu filho trocávamos.

Liguei logo para o Jorge do Carmo e perguntei: “Como é possível?”. O Jorge do Carmo é um homem muito ligado a Deus. Fiquei tão emocionada que lhe liguei imediatamente e disse que era uma música tão linda que me fez logo chorar.”

8 de outubro, 40 anos de carreira, 40 anos de música, uma grande festa no Coliseu do Porto, há novidades que possa adiantar em primeira mão?

Maria Lisboa: “É um concerto por onde vai passar o fado, as guitarras, as minhas músicas.

Vai passar por este disco, pelo novo single também, e vão haver novidades que não posso dizer.”

Mais vai recordar outras músicas que marcaram a carreira da Maria Lisboa?

Maria Lisboa: “Sim, alguns temas que as pessoas se lembram e que marcaram determinadas fases da carreira.

Também há muita gente que não me conhecia. Depois há aqueles que, ainda em criança, ouviam aqueles temas.

Neste momento acho que tenho um espetáculo muito bonito que abrange todas as idades, o que acaba por ser engraçado.

Crianças e jovens, por exemplo, gostam muito do Zumba Comigo. Os jovens também têm muita fé, num espetáculo vi a juventude toda a cantar o Eu Tenho Fé em Deus comigo. Fiquei de coração cheio.”

Obrigado pela disponibilidade de ter estado à conversa com a Onda Livre.

Maria Lisboa: “Obrigada eu e um beijinho muito grande a todos os vossos ouvintes e para a Rádio.”

E dia 8 de outubro, vamos todos ter fé em Deus no Porto.

Maria Lisboa: “É isso mesmo que eu gostava, penso que vai ser um espetáculo bonito, com muitas emoções e lágrimas pois gerir isto tudo é complicado. Mas claro que também vai haver muita alegria.”

Um espetáculo de uma mulher do norte?

Maria Lisboa: “Exato. Eu nasci em Lisboa mas fui criada no norte.

Um beijinho para todos e a minha gratidão.”

 

Neste momento, os bilhetes para o concerto no Coliseu do Porto no dia 8 de outubro já estão esgotados.

 

Escrito por ONDA LIVRE

Imagem: https://www.facebook.com/marialisboaoficial/