Há 500 mil euros públicos para serem investidos nas propostas do jovens de todo o país

Foi esta semana apresentado em Macedo de Cavaleiros o Orçamento Participativo Jovem (OPJ).

Uma iniciativa do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), que, pelo segundo ano consecutivo, dá aos cidadãos que tenham entre 14 e 30 anos, a possibilidade de apresentarem e votarem projetos de investimento público em todo o país.
A dotação total é de 500 mil euros, mais 200 mil do que na primeira edição, e cada projeto pode receber uma verba até 100 mil euros.
Vítor Dias, Diretor Regional do Norte do IPDJ, refere que a adesão tem sido positiva e acredita no potencial dos jovens da Terra Quente Transmontana:

“Este orçamento funciona como se fosse um sub-orçamento do OP de Portugal, no qual os cidadãos podem decidir onde querem ver gasta uma parte da verba do Orçamento de Estado. Estamos a fazer bastantes sessões e vamos sempre que hajam jovens interessados.

A adesão tem sido boa, temos muitas candidaturas submetidas, mas certamente que a última semana será a mais concorrida.

Achamos que os jovens da Terra Quente são dinâmicos e empreendedores, e pelo que já pude observar hoje, há aqui boas ideias.”

Cada projeto tem de involver pelo menos dois municípios e seguir uma das quatro áreas que o IPDJ definiu como priopritárias para o país:

“Este ano, as áreas são um pouco diferentes das do ano passado.

No entanto, escolhemos aquelas que achamos prioritárias, são elas o Desporto Inclusivo, Sustentabilidade Ambiental, Diálogo Intergeracional e Inovação Cultural. São prioridades  transversais à sociedade portuguesa e constituem preocupações da ordem do dia, não só dos jovens, mas de toda a sociedade. “

Áreas estas que vão também de encontro às necessidades do concelho, considera Elsa Escobar, vereador do município de Macedo de Cavaleiros:

“Eu penso que algumas delas poderão ser, nomeadamente a de inovação cultural, desporto o diálogo intergeracional. Tendo em conta esta última, é importante porque temos aqui várias pessoas idosas, e mesmo com a juventude a ir-se embora para estudar, é sempre bom arranjarmos forma de eles virem e perceberem como trabalhar com pessoas mais velhas.

Parece-me sempre pertinente que os jovens participem neste tipo de iniciativas, é uma forma de aprenderem mais sobre a cidadania, democracia e de serem parte de um projeto que os ajude a perceber melhor como funcionam as coisas. Acho ainda que sempre que é dada às pessoas oportunidade de participar em algo deste género, elas sentem mais as coisas como delas.”

A vereadora gostaria que os jovens macedenses candidatassem, pelo menos, cinco projetos, e ideias já existem, acrescenta:

“Seria excelente e foi muito bom eu, no início desta apresentação, ter dito que queria, pelo menos, 5 projetos, e senti que já há, pelo menos, cinco ideias, o não é nada mau. Apesar do grupo não ser muito grande, porque houveram muitos jovens que disseram que não podiam comparecer nesta apresentação porque ainda têm exames e outros porque ainda não estão cá, acho que os que vieram estão motivados e a trabalhar bem.”

Os projetos podem ser submetidos até ao dia 29 de julho, através do site do Orçamento Participativo Jovem ou nos serviços do IPDJ.
As propostas serão depois avaliadas por uma comissão técnica que irá selecionar aqueles que forem ilegíveis para serem votados entre 1 de outubro a 16 de dezembro.
O ano passado foram mais de 400 as propostas submetidas em todo o país e votadas por quase 10 mil cidadãos jovens.