Simulacro instrui população de Talhas para autodefesa em caso de incêndio

 

Oiça a peça na íntegra aqui:

Na passada sexta-feira, aldeia de Talhas, em Macedo de Cavaleiros, recebeu o primeiro simulacro do concelho no âmbito do programa Aldeia Segura, Pessoa Segura. Uma iniciativa da Autoridade Nacional de Proteção Civil que prevê dotar a população de meios de autodefesa no caso de se depararem com uma situação de perigo.

E quem participou, diz sentir-se agora melhor preparado, assim como o presidente da junta de freguesia, Inácio Roma, que a partir de agora assume o papel de oficial de segurança local:

“Acho que foi um momento único e uma experiência que nos fazia muita falta, para podermos estar preparados para qualquer situação de perigo que aconteça.

Parece-me que população está sensibilizada para seguir estas normas e procedimentos, e a qualquer toque diferente que soe do sino, as pessoas virão imediatamente.

Sentimos-nos mais seguros. Todo o saber é pouco e quanto mais aprendermos, melhor viveremos, e a união faz a força.”

Paulo Silva, da Proteção Civil Municipal, explica os passos que devem ser seguidos numa situação de perigo:

“O oficial de segurança responsável na localidade recebe uma chamada da Protecção Civil a avisar que existe um incêndio que pode causar alguns danos no aglomerado, podendo inclusive haver necessidade de evacuar a aldeia.

Posto isto, o mesmo oficial deve fazer o aviso, o que no caso de Talhas está estipulado ser o toque do sino a rebate, fazendo com que as pessoas se desloquem para um ponto de encontro já definido. Depois, o oficial de segurança faz a chamada oral para ver se está toda a gente da aldeia ali presente, e se faltar alguém, irão verificar se a pessoa está em casa.  Uma vez que estejam todos reunidos, são encaminhados para o local de abrigo, onde as pessoas têm à sua disposição alguns recursos como, por exemplo, água, um kit de primeiros socorros, uma rádio, uma lanterna, entre outros.”

 

Estes simulacros e sensibilizações estão a ser promovidos um pouco por todo o país, dando preferência às aldeias sinalizadas como prioritárias.

No caso do distrito, a mensagem tem sido bem recebida pela maioria das pessoas, como refere Pedro Pino, Comandante do Destacamento Territorial da GNR de Bragança.

“As pessoas têm aderido, percebem a temática e estão muito sensibilizadas para o procedimento, até devido à catástrofe que aconteceu com os incêndios do ano passado.

Uma parte significativa das pessoas tem aderido e compreende a mensagem.”

Serão ainda afixados mapas que vão indicar, aos residentes e forasteiros, quais são as ruas que devem ser seguidas no caso de evacuação da aldeia, assim como os passos a adoptar numa situação de perigo.

Escrito por ONDA LIVRE

IMG_9932 IMG_9934 IMG_9942 IMG_9955 IMG_9957 IMG_9960 IMG_9964