Antigo chefe dos guardas prisionais de Bragança nega as acusações de apoio à fuga de reclusos

Começou hoje em Bragança o julgamento do casal de guardas prisionais acusado de ajudar reclusos a fugir em troca de dinheiro.

Segundo a acusação, o antigo chefe dos guardas no estabelecimento prisional de Bragança, e a mulher, que desempenhava funções de chefia na cadeia de Izeda, usavam as suas posições para dar pareceres favoráveis de acesso à liberdade condicional e para outros favores, em troca de bens e dinheiro.

Os dois arguidos terão ajudado mesmo um preso a fugir para o estrangeiro durante uma saída precária.

O casal responde por três crimes de corrupção passiva e os presos ajudados estão acusados de corrupção activa.

Foi um destes reclusos, arguido no processo, que fez a denúncia que levou à acusação do casal.

Na primeira sessão de julgamento, foi ouvido o antigo chefe dos guardas, que negou as acusações, e o recluso que terá sido ajudado a fugir.

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)