72 freguesias de primeira prioridade de limpeza de terrenos no distrito de Bragança

No distrito de Bragança, o Governo incluiu 72 freguesias na lista de primeira prioridade de limpeza de terrenos, que tem de estar concluída até 15 de Março, e mais 78 estão na segunda prioridade de limpeza que tem de estar pronta até 31 de Maio.

Como curiosidade, diga-se que o concelho de Vinhais tem todas as freguesias, 26, no mapa das prioritárias para limpeza, sendo que 15 são de 1ª prioridade e 11 de 2ª prioridade.

O concelho de Bragança tem na lista 23 freguesias, 12 de 1ª e 11 de 2ª prioridade.

Seguem-se os concelhos de Macedo de Cavaleiros e Mirandela, ambos com 14 freguesias na lista. Em Macedo, são 3 de 1ª e 11 de 2ª prioridade, enquanto Mirandela tem o mesmo número de freguesias de 1ª e 2ª prioridade. São sete.

As de 1ª prioridade são precisamente as mesmas de 2018: Abreiro, Aguieiras, Cedães, Frechas, São Salvador, União de Freguesias (UF) de Franco e Vila Boa, UF de Freixeda e Vila Verde.

Já nas de 2ª prioridade, passam a ser 7, quando em 2018, foram apenas três. Às freguesias de Caravelas, Suçães e UF de Avidagos, Navalho e Pereira, juntam-se este ano as freguesias de Cobro, São Pedro Velho, Vale de Asnes e UF de Barcel, Marmelos e Valverde da Gestosa.

Nos concelhos de Carrazeda de Ansiães e Mogadouro, são 12 as freguesias que constam do mapa. Em Carrazeda, 5 são de 1ª e 7 são de 2ª prioridade. Já em Mogadouro, 4 são de 1ª e 8 de 2ª.

A seguir na lista, aparecem os concelhos de Torre de Moncorvo e Vila Flor, com 10 freguesias, sendo que em ambos os casos oito são de primeira prioridade e dois são de segunda.

Alfândega da Fé tem 9 freguesias, sendo 5 de 1ª e 4 de 2ª prioridade. Vimioso e Miranda do Douro têm 8 freguesias. Vimioso tem quatro freguesias em cada situação, enquanto Miranda do Douro tem uma freguesia de primeira prioridade e sete de segunda.

A fechar a lista do distrito de Bragança, está o concelho de Freixo de Espada à Cinta com quatro freguesias, todas consideradas de segunda prioridade.

Até 31 de maio de 2019, as câmaras municipais garantem a realização de todos os trabalhos de gestão de combustível, devendo substituir-se aos proprietários e outros produtores florestais em incumprimento, procedendo à gestão de combustível prevista na lei, mediante comunicação e, na falta de resposta em cinco dias, por aviso a afixar no local dos trabalhos.

Para quem não limpar, as multas vão de 280 a 10.000 euros, para pessoas singulares, enquanto para empresas e entidades públicas, as multas vão de 1.600 a 120.000 euros.

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Terra Quente)