Greve dos veterinários cria constrangimentos no matadouro de Bragança

Vários criadores de gado, do distrito de Bragança, estão com problemas em abater animais por causa da greve dos veterinários e técnicos de inspecção sanitária da Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV). No matadouro de Bragança, por exemplo, ontem, não foi possível, fazer abates o que acabou por apanhar os criadores de surpresa e causar transtorno. Um dos casos foi o de Gonçalo Silvério. Com 50 cabritos e cinco borregos para abater, ainda conseguiu indo a Vinhais mas queixa-se da situação:

 “Tinha matança marcada e quando cheguei lá já não me deixaram descarregar os animais porque estavam em greve. Pedi-lhes que arranjassem uma solução porque tenho matança marcada há 15 dias, então mandaram-me para Vinhais. Esta situação só acontece porque não têm um veterinário contratado pela Câmara. Se não tivessem arranjado outra forma, os animais ficavam a morrer em cima da carrinha.”

 

Albino Rodrigues também tinha de abater animais neste matadouro mas viu-se obrigado a ir ao do Cachão, em Mirandela. Uma situação que foi bem mais dispendiosa que o que contava:

“Ia levar os animais e fui informado que tinha de os levar para outro local. É muito mais dispendioso e eu tinha 60 animais para abater. Hoje, no Cachão acho que também só vão abater umas sei horas. Isto é mau para toda a gente e para todos os negócios. Quem paga é sempre o pobre.”

 

O presidente da câmara de Bragança, Hernâni Dias, garante que a situação está hoje resolvida, com a vinda de um inspector sanitário de Vila Real:

“Tivemos ontem uma situação de greve da inspetora sanitária e tivemos alguns problemas relacionados com o abate dos animais. Hoje, já estão a ser abatidos, veio uma inspetora de Vila Real. Tivemos que tomar medidas e ontem enviámos os criadores de gado para outros matadouros.”

 

 Ao que conseguimos apurar, no matadouro do Cachão o veterinário da DGAV não estará a fazer greve. Já em Vinhais, o inspector sanitário aderiu mas o serviço estará assegurado pelo veterinário do serviço municipal.

Os trabalhadores reivindicam a criação da carreira especial de inspector sanitário. Está previsto que a greve se estenda até sábado.

 

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)