Municípios da Terra Quente Transmontana ajudam com os custos da esterilização de animais de companhia

Os municípios da Terra Quente Transmontana passam a partir de agora a comparticipar parte dos custos com a esterilização de cães e gatos de companhia da população residente naqueles concelhos.
O compromisso  foi firmado ontem em Vila Flor, através da assinatura de um protocolo entre as cinco autarquias (Macedo de Cavaleiros, Alfândega da Fé, Carrazeda de Ansiães, Mirandela e Vila Flor), o Cantinho do Animal – Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia Intermunicipal da Associação de Municípios da Terra Quente Transmontana (AMTQT) e ainda com os nove Centros de Atendimento Médico-Veterinários da região, para implementação de um programa que visa reduzir o excesso de animais abandonados, que têm sobrelotado os centros de recolha, como explica Manuel Miranda, Secretário-geral da AMTQT:

“Devido às recentes alterações legislativas que determinaram a proibição do abate de animais para controle populacional, o canil ficou sobrelotado, o que resulta na proliferação de animais no espaço público, com reprodução descontrolada. Como tal, este protocolo surge no sentido de comparticipar os processos de esterilização, é destinado aos donos de animais residentes no território da Terra Quente, que se não tiverem condições suficientes para paga o processo podem obter uma credencial junto do seu município para com ela se dirigirem a um dos nove centros de atendimento médico veterinários para ter uma comparticipação na esterilização do seu animal. “

Para a implementação deste programa na área de abrangência da Terra Quente Transmontana, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) atribuiu uma dotação de mais de 100 mil euros, 30 mil para o Cantinho do Animal, que é responsável pela esterilização dos animais errantes para posterior adoção, e 15 mil euros a cada município para ajuda à execução do procedimento nas clínicas veterinárias.
Os valores variam consoante o animal:

“As comparticipações são iguais em todo o território da Terra Quente e o valor varia em função do animal em questão. No caso do gato, a comparticipação é de 15€, no da gata de 35€, para o cão terão uma ajuda de 30€ e para a cadela de 55€.”

O Centro de Recolha Oficial da Terra Quente Transmontana já atingiu a capacidade máxima de animais e está neste momento a desenvolver projetos para que, em breve, seja possível ampliar o espaço.
No entanto, de forma a mitigar este problema, a autarquia de Macedo de Cavaleiros avançou que vai reativar temporariamente o antigo Canil Municipal, para receber os animais errantes que vagueiam pelas ruas do concelho até que o centro de recolha intermunicipal tenha mais espaço, como refere o presidente, Benjamim Rodrigues:

“O problema básico de que enferma toda a nossa região é termos um canil intermunicipal que não consegue dar resposta ao número de animais abandonados que temos no nosso território, o que se torna num problema de saúde pública e para o meio ambiente.

Vamos tentar criar uma solução no nosso concelho, que passa por reequipar o canil municipal que, em outros tempos, funcionou no nosso território. É uma solução provisória para albergar apenas os animais errantes, que estão perdidos e abandonados, apenas do nosso concelho.

Penso que conseguiremos ter o canil a funcionar a curto prazo.”

O Programa de Apoio à Esterilização de Animais de Companhia na Terra Quente Transmontana estará em vigor até que a verba disponibilizada para as comparticipações se esgote, sendo a previsão inicial até novembro desde ano.
Além disso, vão ainda ser promovidos programas de captura, esterilização e devolução para gatos de rua, e estão também a ser estabelecidas colaborações entre o Centro de Recolha Oficial e organizações não-governamentais de proteção animal para ajuda no combate a este problema.

Escrito por ONDA LIVRE