Empresários estrangeiros fazem proposta para investir na Sousacamp

Dois empresários estrangeiros apresentaram, na última assembleia de credores, uma proposta de investimento no grupo Sousacamp, com sede em Benlhevai, Vila Flor.

A empresa de cogumelos entrou em processo de insolvência, com uma dívida avaliada em 60 milhões de euros a várias entidades, sendo o Novo Banco o maior credor.

A solução agora apresentada por um consórcio composto por um empresário belga juntamente com um empresário espanhol prevê um plano para saldar as dívidas da maior empresa do grupo, o que foi confirmado por José Eduardo Andrade, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabaco de Portugal (SINTAB).

“Houve uma proposta que foi apresentada por uma equipa composta por dois empresários, um belga e um espanhol. Foi a dado a entender que era fruto do trabalho do actual administrador de insolvência juntamente com interessados que foram aparecendo durante este período.”

Nesta proposta apresentada na última assembleia de credores, que aconteceu este mês, a continuação da participação do anterior accionista foi posta de lado, o que deixa satisfeito o sindicato:

“Fizemos questão de colocar esta pergunta na assembleia de credores. Isso deixa-nos descansados, em parte”, afirmou, recordando a “estratégia de gestão do anterior acionista que levou a empresa à situação em que se encontra, na bancarrota”, e o “tratamento dos trabalhadores, de sonegação de direitos e contínua degradação dos direitos de trabalho.”

No entanto, o SINTAB não está totalmente descansado, porque a proposta de recuperação pressupõe o pagamento das dívidas ao Novo Banco e a outros credores, mas não dá garantias sobre a manutenção dos postos de trabalho.

“A proposta de recuperação da empresa, em toda a sua formulação, debruça-se unicamente na explicação da forma de cumprimento com as obrigações financeiras, sem que, em qualquer circunstância, se refira à manutenção da operação produtiva e dos postos de trabalho.”

O grupo Sousacamp, detentor de cerca de 90% do mercado nacional de cogumelos, conta com cinco fábricas em Portugal e duas em Espanha, e emprega mais de 500 pessoas.

A última assembleia de credores foi interrompida e será retomada dia 27 para ser conhecida a decisão acerca da proposta de recuperação apresentada.

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)