Vão ser investidos mais dez milhões de euros na área da violência doméstica

Vão ser investidos mais dez milhões de euros na área da violência doméstica

Vão ser investidos mais dez milhões de euros na área da violência doméstica, relativamente ao ano de 2014.

A novidade foi avançada por Rosa Monteiro, Secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, que refere ter havido uma diminuição do números de casos reportados em 2018 comparativamente ao ano transato:

Como disse aumentaram e têm vindo a aumentar de ano para ano. As medidas de tele assistência, dos dispositivos de tele assistência, o chamado botão de pânico, as medidas de vigilância eletrónica, etc. Também tem vindo a aumentar a nossa rede de respostas de estruturas de Gabinete de atendimento, de gabinetes de apoio à vítima e de estruturas de acolhimento. Nos dados oficiais que temos de 2018, comparativamente com o ano anterior, houve uma ligeira diminuição, o que obviamente não significa que haja menos violência, significa que há menos denúncias e isso não é positivo. Queremos que haja mais denúncias porque só assim podemos atuar, quer as forças de segurança quer as equipas técnicas que estão no terreno.”

 

O início de 2019 ficou marcado pela morte de 21 mulheres, mas Rosa Monteiro explica que estão a ser tomadas medidas para ajudar na prevenção deste género de ocorrências:

Nesse sentido foi criada a comissão técnica, que propôs um conjunto de medidas que já estão vertidas numa resolução de Conselho de Ministros, na qual estamos a trabalhar. Por um  lado, uma equipa que está a produzir um instrumento comum para a prevenção primária e secundária da violência e que se destina  a profissionais que trabalhem com crianças  e jovens, por exemplo. Há também outros projetos, com os Municípios, e que dão origem a orientações técnicas específicas para os serviços. Há também esta questão da produção do protocolo de atuação para as 72h e para a resposta imediata, e vamos também criar as chamadas redes de urgência de intervenção no território que capitalarizarão a experiência e as redes que já temos. A partir destes protocolos de territorialização e que temos já  aqui no território de Bragança e também a mobilização de seis milhões de euros que foram reservados para a formação massiva de vários setores profissionais, a partir desses instrumentos.”

 

Declarações à margem da conferência “Violência Doméstica e Política Criminal”, organizada pela Delegação da Ordem dos Advogados de Macedo de Cavaleiros e Mirandela, que aconteceu ontem no Centro Cultural de Macedo.

Salete Pacheco, presidente da delegação da ordem dos advogados de Macedo de Cavaleiros, refere a importância de capacitar de forma especializada os profissionais da área, no que toca ao contacto com a vítima:

Essencialmente o que nos preocupa é a nossa própria formação, que nós não temos formação especializada como têm, por exemplo, os psicólogos. Falo de uma formação clínica e especializada. Nós temos uma formação generalizada e a ordem, agora em colaboração com a Secretaria de Estado, está a tentar fomentar esse tipo de especialização, para todos os colegas terem uma sensibilidade diferente a ouvir a vítima e perceber os sinais, e qual é a melhor forma de atuar até com os órgãos policiais.”

 

Em Portugal, no ano de 2018, a GNR e a PSP registaram mais de 26 mil casos de violência doméstica.

 

Escrito por ONDA LIVRE

Relacionados

Comentar