Mirandela é a primeira do distrito a aderir ao “Cheque Veterinário”

O Programa de Apoio de Saúde Preventiva a Animais em Risco, promovido pela Ordem dos Médicos Veterinários em colaboração com as clínicas aderentes, visa apoiar as autarquias na recolha de animais abandonados, uma realidade preocupante, principalmente, desde 2017, quando entrou em vigor a Lei que proíbe o abate de animais errantes.

Com este protocolo, para além de apoiar os animais abandonados e recolhidos pelas autarquias, também se pretende que seja um apoio para as famílias carenciadas que tenham animais de companhia, nomeadamente no que se refere à vacinação, desparasitação, identificação eletrónica e esterilização, bem como outros tratamentos e urgências 24 horas, como explica Jorge Cid, o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários, após a assinatura do protocolo, esta quinta-feira, em Mirandela

“Dá a possibilidade de as autarquias fazerem um protocolo com a ordem, diante de um acordo pré-estabelecido de despesa, para que todos os animais errantes que forem capturados pelas câmaras possam ser distribuídos pelas clínicas todas do concelho para serem esterilizados e entrarem no Centro de Recolha Oficial (CRO) para serem adoptados. “

Para a presidente do Município de Mirandela, esta é uma mais-valia importante, numa altura em que o número de animais abandonados tem vindo a aumentar e o Centro de Recolha Oficial da Terra Quente, sediado em Urjais, já não tem capacidade para receber mais animais, que obrigou o Município a adquirir um canil de uma associação de proteção animal, em São Salvador. Júlia Rodrigues diz que se trata de um problema que pode trazer consequências graves ao nível da saúde pública, pelo que entende que este cheque veterinário pode ajudar a minimizar o problema

“Existem alguns pedidos por parte de famílias carenciadas que têm animais de estimação mas não têm forma de custear os tratamentos e a própria esterilização.

Como tal, a câmara achou por bem, e porque a Ordem dos Médicos Veterinários lançou esta iniciativa, podermos protocolar isto, até porque os médicos veterinários que têm centros de atendimento podem aderir e implementar o programa, desde que as câmaras municipais ou juntas de freguesia assinem o protocolo.

É uma mais-valia para os proprietários de animais de estimação, e em questões de saúde pública é muito importante que tomemos estas medidas. “

Com esta comparticipação do município, que varia entre os 13 e os 100 euros, Ana Luísa, diretora clínica do Centro de Atendimento Médico Veterinário “Terra Quente”, que aderiu a este programa, entende que está dado um passo importante para incentivar a esterilização aos cães e gatos de companhia das famílias com menos recursos financeiros

“Se houver uma divulgação adequadas as pessoas poderão tomar conhecimento.

Realmente há gente com carências que quer fazer o melhor pelo seu animal, mas vêem-se limitadas pela sua condição financeira.

Nesse sentido, será de todo uma mais-valia, pois mesmo que não pague a totalidade das despesas, ajudará a combater as despesas, também em tratamentos que por vezes trazem grandes desgostos e prejuízo à saúde das pessoas, principalmente na nossa região onde há bastante gente com algumas dificuldades e quase todos têm animais de companhia.”

No entanto, este programa só deverá começar a ser implementado em 2020, dado que a autarca mirandelense revelou que ainda não está definido o plafond que vai ser concedido para este cheque veterinário, tendo de aguardar pela aprovação do orçamento do Município para o próximo ano.

INFORMAÇÃO CIR (Terra Quente FM)