Mirandela é a primeira localidade do interior a ter um “Café Memória” para apoio na demência

Mais de metade das oito mil consultas anuais na especialidade de Neurologia, realizadas no distrito de Bragança, na área da Unidade Local de Saúde do Nordeste, são de utentes que sofrem de demência.

Uma revelação avançada por Ilda Matos, a diretora do serviço de neurologia da ULS Nordeste:

“Nós vivemos num distrito com uma pirâmide etária invertida e ao termos uma população predominantemente idosa, temos muitos doentes com demência.

Das consultas de neurologia, as doenças de demência e Parkinson representam mais de 50% dos nossos doentes e nós fazemos na ULSN oito mil consultas de neurologia por ano, portanto, estamos a falar de muitos doentes com demência.”

A demência tem um peso enorme entre a população envelhecida do distrito de Bragança, representando mais de metade das oito mil consultas anuais de Neurologia na ULS do Nordeste.

Números avançados, na terça-feira, por Ilda Matos, em Mirandela, na cerimónia de assinatura de um protocolo entre a autarquia local, a Sonae Sierra e a Alzheimer Portugal, para que Mirandela passe a ser a primeira localidade do interior de Portugal a integrar a rede do projeto “Café Memória” que, a partir de novembro, prestará apoio a doentes com demência e cuidadores.

A partir de 16 de novembro, no terceiro sábado de cada mês, o Café Memória vai abrir portas, na cidade de Mirandela, de forma gratuita e sem inscrição prévia.

O responsável pelo projeto a nível nacional, Luís Durães faz questão de sublinhar que o café memória não pretende ser uma clínica da memória, um espaço de consulta ou de acompanhamento individual de casos, mas antes um ponto de encontro para pessoas com problemas de memória e seus cuidadores, familiares e amigos:

“É um espaço informal, onde não há qualquer tipo de obrigatoriedade de participar na sessão toda ou em todas as sessões.

As pessoas sabem que podem aparecer e que serão recebidos à porta por dois técnicos e por um extensa equipa de voluntários que vai promover um espaço de partilha de informação,  experiências, suporte emocional e apoio mutuo.”

Este projeto da Associação Alzheimer Portugal começou, em 2013, e funciona atualmente em 22 locais do país, incluindo Mirandela, o primeiro do interior. Luís Durães enumera algumas das razões que o levam a concluir que o café memória tem sido um sucesso:

“Começamos em 2013 e hoje contamos já com 22 cafés em funcionamento, e todos os que abriram continuam em funcionamento pleno.

Tivemos 3000 participantes nestes anos, totalizaram quase 12 mil participações, o que quer dizer que estas pessoas fidelizam e visitam-nos mês após mês, levando daqui muito para as suas vidas. É bom ver a evolução que as pessoas conseguem, através de uma ajuda que é tão pequena, com muito fazemos muito.

Mirandela tem um conjunto extenso de parcerias em que cada uma dá uma pequena parte, e todos juntos vão fazer com que, de forma gratuita, frequente, e segura, as pessoas tenham agora uma resposta que até à data não tinhas.”

 

Para a neurologista, Ilda Matos, o Café Memória é uma ajuda muito importante, sobretudo no apoio a quem cuida destes doentes:

“À medida que a doença avança, quem começa a consumir mais tempo nas consultas é o cuidador que não sabe como deve lidar, porque o doente há dias em que não quer tomar os remédios, outros em que não dorme e anda a passear pela casa de noite, começa a ficar deprimido, ansioso e muitas vezes o cuidador não tem com quem falar.

Estes espaços permitem que o cuidador possa partilhar estas coisas com outra pessoa que tem a mesma experiência, e se calhar já arranjaram um truque para fazer com que o doente coma e tome os medicamentos, sem ninguém se estressar em casa.

Isto é fundamental para o doente e para o cuidador.”

A autarca de Mirandela classifica este projeto de vital importância e Júlia Rodrigues sublinha ainda o papel de outros parceiros para que fosse possível a implantação do Café Memória na cidade:

“Temos muitos casos de isolamento por si só e estes casos de demência ainda geram mais isolamento. O município de Mirandela tem muitos aderentes, temos empresas e instituições que se associaram a este projeto por uma questão social e solidariedade.

Também o gabinete de Alzheimer de Mirandela foi um interlocutor muito importante para que o café memória ficasse aqui.”

Mirandela já tem um Gabinete de Apoio à Doença de Alzheimer, desde 2014, e disponibiliza agora o espaço Café Memória. As sessões têm data marcada todos os terceiros sábados de cada mês, no Bar do Centro Cultural, entre 10h00 e as 12h00. A primeira sessão acontecerá no dia 16 de novembro.

Foto: Município de Mirandela

INFORMAÇÃO CIR (Terra Quente FM)