XIX Feira da Caça e do Turismo abriu ontem portas

O primeiro dia da XIX Feira da Caça e do Turismo foi ontem, com os expositores expectantes para os próximos dias.

Entre os cerca de 200 expositores presentes, falámos com Adérito Estanislau Alves e José Cascais, ambos de Macedo de Cavaleiros, e com Jorge Dias, que vem, pela primeira vez, de Braga.

microfone profissional 4 (1)

“Queria ver se vendia alguma coisa. Vamos ver! Não posso garantir, porque estamos em crise. Hoje posso dizer que não estou descontente apesar de ser um dia fraco pois é o princípio da feira.” – são os palpites de Adérito Estanislau Alves.

“É o primeiro dia, uma abertura, durante a semana. Está fraco, mas há convívio, e os expositores também estão a terminar de montar os stands.

Esperamos que amanha, sábado e domingo esteja a mais alto nível. Esta feira tem vindo a crescer de ano para ano e tem-se tornado numa feira com um cariz diferente, de mais convívio, dado a temperatura no exterior, que convida a quem está no interior a não sair. Até porque tem todas as condições, desde a restauração, à exposição, à degustação. Em todas essas vertentes, as pessoas sentem-se bem aqui durante horas.” – opinião de José Cascais.

“As expetativas não são elevadas, nem são muito exageradas. Temos consciência dos tempos que corremos, e aguardamos que corra da melhor forma para toda a gente. Não temos grandes objetivos desta feira.” – Diz Jorge Dias, que vem mais longe, de Braga.

Os três estão pavilhões de exposição diferentes – turismo, gastronomia e caça –e levantam o véu sobre a variedade que é possível encontrar, até domingo.

microfone profissional 4 (1)

“É tudo em madeira – os carrinhos, os burrinhos, estas pecinhas pequenas, que se usavam no linho e reproduções dos berços onde antigamente se criavam os bebés. Também tenho certas ferramentazinhas, tudo isto é feito por mim.

Onda Livre – Quanto tempo é que demora a fazer aqueles carrinhos maiores, com os bois?

Aquele carrinho dos bois leva mais de uma semana a deixá-lo assim, prontinho.”  – Adérito Estanislau Alves explica à Onda Livre o que tem para venda neste certame.

“Este ano nós privilegiamos a região de Trás-os-Montes, essencialmente vinhos produzidos aqui na região e iremos ter degustações por dia de 3 ou 4 marcas por dia dia.” – José Cascais tem vinhos transmontanos para dar a provar.

“Vai encontrar vestuário em pele, fabricadas em Portugal.

Hoje é uma das poucas que podem encontrar, porque grande parte dos expositores representam muitos artigos intitulados portugueses, mas que só têm uma etiqueta a dizer Portugal. As pessoas que as adquirem esses mesmos produtos por vezes não se certificam que são fabricados em Portugal. Isto não é um exagero dizer que é um artigo 100% português, desde as etiquetas, cabide, pele e mão de obra.” – Jorge Dias traz produtos 100% portugueses.

Decorre até domingo a XIX Feira da Caça e do Turismo, em Macedo de Cavaleiros, num região que se assume como a feira da caça.

Logo mais, Às 18h, dá-se a abertura oficial, com a presença do secretário de estado da Alimentação e da Investigação Agroalimentar, Nuno Vieira e Brito.


IMG_1003 IMG_1004 IMG_1007

Escrito por ONDA LIVRE