Assembleia Municipal de Macedo aprova moção que pede à câmara que mantenha a escola de Podence aberta

Assembleia Municipal de Macedo aprova moção que pede à câmara que mantenha a escola de Podence aberta

A Assembleia Municipal de Macedo de Cavaleiros aprovou ontem uma moção que solicita à câmara a reversão da decisão de encerrar o Jardim de Infância de Podence.

Subscrita não só pelo PSD mas também pelos deputados do CDS e dos Unidos por Macedo, a moção foi apresentada pelo líder da bancada social-democrata, Daniel Pires, e entre os argumentos está também o que dizem ser a abertura de um precedente para fechar a porta a outras escolas do concelho:

“O Jardim de Infância de Podence é frequentado por 12 crianças e funciona como um polo agregador de um conjunto de 16 aldeias da zona norte do concelho. Considerando esta circunstância já por si muito penosa para crianças de tão tenra idade, e acrescentar ao percurso passagens ainda por Santa Combinha, Gradíssimo, Nogueirinha, até chegar à sede de concelho por volta das 8h50, em nada contribui para o bem-estar dessas crianças.

Considerando que o invocado argumento do superior interesse das crianças é falacioso, a decisão de encerramento do Jardim de Infância de Podence vem criar cada vez mais dificuldades a quem mora nas aldeias e, consequentemente, abre um precedente para o futuro encerramento de outros infantários existentes nas nossas aldeias, como o de Vale da Porca, Chacim ou Morais, conduzindo cada vez mais à desertificação e abandono das nossas aldeias.”

Quem também pediu a palavra para falar sobre o encerramento desta escola foi o presidente da Junta de Freguesia de Podence e Santa Combinha, João Alves, que votou contra a moção e fala em “aproveitamento político do PSD”:

“Esta fotonovela não teve nada a ver com o fecho do Jardim de Infância de Podence.

Toda esta encenação foi apenas uma tentativa de aproveitamento político por parte do PSD, cujos dirigentes se aproveitaram do facto de uma ou duas mães de crianças que agora frequentam a escola se terem queixado, para aproveitar e assim dar uma “ferroada” no PS.

Às mães digo, acreditem que na minha ótica o melhor para os vossos filhos não é estarem numa escola com quatro ou cinco alunos.

O Jardim de Infância de Podence vai fechar porque nas atuais condições não fazia sentido estar aberto, e teria de encerrar, se não fosse este ano teria de ser no próximo.

No próximo ano letivo iria funcionar com seis crianças, nenhuma de Podence, e três adultos para se ocuparem delas. Não me parece, e à câmara também não, que seja uma correta gestão de dinheiros públicos e também não lhe pareceu ao Conselho Municipal de Educação que votou por unanimidade pelo encerramento.”

Houve dois deputados eleitos pelo Partido Socialista a votar a favor da moção, contrariando a orientação de voto declarada pelo líder da bancada.

Um deles foi Ramiro Valadar, presidente da Junta de Freguesia de Morais, que se assumiu contra mas lembrou que, no passado, já outras escolas tinham encerrado:

“Sou contra o encerramento do Jardim de Infância de Podence. Soube que houve uma manifestação em Podence e só não estive presente porque ninguém me ligou.

Mas quando fecharam os jardins de infância de Talhas, Lagoa, Lombo, Grijó, Corujas, Bagueixe, e sem serem infantários, todas aquelas escolas no concelho que fechámos, o que fizemos? Então essas crianças não eram crianças como as de Podence?

Se agora somos contra temos de o ser sempre. A cor política para mim é secundária.”

Também Ilídio Alves, eleito da bancada do PS, votou a favor da moção e justificou à assembleia porquê:

“Falou-se muito que o tempo de viagem seria de 20/25 minutos mas isso não é verdade.

Há crianças que vão andar mais de uma hora e meia, de manhã e à tarde. Por isso, contra a decisão do líder parlamentar, eu vou votar a favor da moção.”

Esta moção, que serve como um pedido da assembleia à câmara para que reverta a decisão de encerrar o infantário da aldeia de Podence, foi aprovada com 32 votos a favor, 28 contra e uma abstenção.

Recordo que entre os argumentos dados para justificar o encerramento deste estabelecimento escolar, o principal foi a falta de segurança.

Escrito por ONDA LIVRE

Relacionados

Comentar