Embaixador de Cabo Verde espera que culpados pela morte de Giovani sejam brevemente descobertos

Embaixador de Cabo Verde espera que culpados pela morte de Giovani sejam brevemente descobertos

Três semanas após a morte de Luís Giovani Rodrigues ainda não há detidos, apesar de a Polícia Judiciária já ter ouvido vários suspeitos. Ainda assim, o embaixador de Cabo-Verde em Portugal, Eurico Monteiro, que esteve, ontem, em Bragança, cidade onde o jovem foi espancado, assegurou que tem esperança que os culpados sejam levados à justiça rapidamente:

“Creio pelas informações que têm corrido que existem sinais que nos dão esperança que isto possa ser resolvido a breve trecho, mas isso é a minha esperança, dos familiares e dos amigos, mas certeza, de facto, não podemos ter. Quero crer que as autoridades estão empenhadas em esclarecer o mais rapidamente possível esta situação e uma expectativa que os responsáveis por este acto grave serão levados para a justiça, para bem de todos e para uma certa serenidade.”

Para Eurico Monteiro, o caso, ainda que “lamentável”, não vai afectar a confiança que tem trazido vários dos seus conterrâneos estudar para a cidade:

“Tem um impacto muito profundo na emoção dos estudantes, mas todos reconhecem que isto não tem nada a ver com o ambiente estudantil que se vive nesta instituição.”

Maribelle Brito, vice-presidente da Associação de Estudantes Africanos do IPB, confirma que a comunidade está descontente e que querem ver os culpados responsabilizados pelo sucedido:

“Estamos tristes, não imaginávamos que íamos perder o colega desta forma, apelamos a que a justiça seja feita, que encontrem realmente o culpado e que a pessoa pague pelo crime.”

O embaixador esteve em Bragança para perceber o que pode ter acontecido a Giovani e estabeleceu contactos com a PSP, a direcção do politécnico, com a comunidade estudantil cabo-verdiana do IPB e com outros jovens, que, alegadamente, também foram espancados na madrugada do dia 21 de Dezembro.

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia) 

Relacionados

Comentar