Município de Vinhais e espanhóis vizinhos pedem que seja aberto um ponto de passagem

Município de Vinhais e espanhóis vizinhos pedem que seja aberto um ponto de passagem

O município de Vinhais e os municípios espanhóis vizinhos protestaram, hoje, junto à fronteira de Moimenta e pediram que fosse aberto um ponto de passagem. No concelho de Vinhais há mais de 20 trabalhadores transfronteiriços que são obrigados a fazer centenas de quilómetros diários para conseguirem ir trabalhar. Luís Fernandes, autarca vinhaense, afirma que esta pode ser outra das excepções de passagem e chama atenção para os constrangimentos causados:

“Mais do que um protesto é uma chamada de atenção para a necessidade também de aqui, no concelho de Vinhais, haver uma fronteira aberta, nem que seja durante algumas horas do dia, porque é importante tendo em atenção o número de trabalhadores transfronteiriços, alguns deles sujeitos até a perder o emprego, porque têm que se deslocar aos únicos locais abertos que é Quintanilha ou Vila Verde.”

A fronteira de Moimenta, no concelho de Vinhais, foi o ponto simbólico escolhido onde os autarcas fizeram um minuto de silêncio e protestaram com cartazes. Luís Fernandes acrescenta que muitos dos trabalhadores a passar a fronteira são profissionais de saúde.

Do lado espanhol a reivindicação repete-se. O presidente da câmara de Mezquita, na Galiza, Rafael Pérez, explica que a maioria dos trabalhadores transfronteiriços daquela região trabalha em padarias e restaurantes portugueses.

Com as fronteiras fechadas, os trabalhadores espanhóis, da zona da Galiza, têm que fazer a passagem por Chaves, distrito de Vila Real. Mas há quem arrisque e faça a passagem ilegalmente:

“Cento e tal quilómetros daqui a Chaves. As pessoas estão a fazer estes quilómetros ou a passar por onde podem. Não sei se se pode chamar ilegalmente, mas testar a sorte. Deixam um carro de um lado, outro do outro e passam a pé, não têm outra solução, têm que resolver a sua vida.”

Com o fecho deste ponto de passagem em Moimenta, são prejudicadas as gentes do concelho de Vinhais, mas também de Mezquita, Gudinha, Riós e de outros concelhos raianos. No distrito de Bragança, Quintanilha é o único ponto de fronteira aberto em permanência. Há ainda dois com horário especifico, em Rio de Onor, duas vezes por semana, e em Miranda do Douro, quatro horas por dia.

INFORMAÇÃO e FOTO CIR (Rádio Brigantia)  

Relacionados

Comentar