Subida do preço dos combustíveis pode levar a Rodonorte a reduzir viagens e rotas

Subida do preço dos combustíveis pode levar a Rodonorte a reduzir viagens e rotas

Os preços elevados dos combustíveis estão a pôr em causa os transportes de passageiros. As empresas começam a procurar estratégias para diminuir os gastos que dizem ser insuportáveis.

A Rodonorte, que atua essencialmente nos distritos de Bragança e Vila Real, está a reunir com as entidades que solicitam os serviços para arranjar uma solução. Segundo o administrador, Jorge Santos, é possível que se diminuída a frequência de alguns percursos:

“Temos uma série de serviços que têm mais que uma frequência diária.

A questão que se coloca agora, atendendo a que a procura é diminuta e que ponderamos reduzir custos, passa por diminuir algumas frequências. Se uma viatura, por dia, tem cinco horários, pode passar só para três ou quatro. Há aqui uma série de situações que estão a ser analisadas e que, a seu tempo, podem ter impacto.”

A baixa densidade populacional na região transmontana é outro dos problemas, uma vez que alguns percursos não compensam, pela baixa procura. Numa altura em que os custos são cada vez mais elevados, Jorge Santos admite que pode haver rotas que deixarão de ser feitas:

“No distrito de Bragança, sobretudo, há um problema grave que é o da demografia, e assim há implicações na procura do transporte público. Foram sendo encontradas formas de mitigar os défices que existem mas, com esta subida dos combustíveis, neste momento, está completamente desfasado o ponto de equilíbrio que existia. Há rotas que podem deixar de ser feitas. Se não se encontrar equilíbrio não teremos outra alternativa.”

Ainda que com o regresso das aulas presenciais e com as deslocações dos estudantes do ensino superior, as despesas continuam a ser superiores aos ganhos, uma vez que o preço dos bilhetes se mantém:

“No que toca ao transporte de alunos, dá para notar que já há aqui alguma retoma. Mas o problema também existe neste transporte porque o preço do bilhete se mantém. Estamos a recuperar de uma crise que assolou o país e o mundo. Ser confrontados com estes aumentos é muito complicado.”

Este ano, o preço do gasóleo já subiu 38 vezes e desceu oito. A gasolina aumentou 30 e baixou apenas sete vezes. Portugal é o sexto país da União Europeia com os combustíveis mais caros. 

INFORMAÇÃO CIR (Rádio Brigantia)

Relacionados

Comentar