CA Macedo compensa atraso no início da pré-época com treinos diários até arranque do campeonato

CA Macedo compensa atraso no início da pré-época com treinos diários até arranque do campeonato

A pré-época do CA Macedo começou este ano mais tarde que o previsto, a três semanas do arranque do Campeonato Distrital da Divisão de Honra Pavimir, que vai disputar esta época, após ter descido do Campeonato de Portugal na passada.

Um dos motivos foram as obras de melhoramento do relvado e a construção do campo sintético, que deve estar pronto em meados de outubro, mas também algumas reuniões entre o clube e a autarquia, explica o presidente do Clube Atlético, João Saraiva:

“Tudo que são obras têm sofrido atrasos com a pandemia e a guerra. As nossas também sofreram com isso.

Relativamente à autarquia, houve um corte relativamente ao ano passado, sabíamos que isso iria acontecer porque, infelizmente, os objetivos de manter a equipa no Campeonato de Portugal não foram concretizados.
O facto de termos a equipa de Iniciados na II Divisão também fez com que a negociação fosse um pouco mais difícil e, por isso, vão exigir mais sacrifícios da nossa parte, direção, mais contenção também, e vamos ter procurar mais alguns apoios, que felizmente estão a aparecer.
Mas chegámos a acordo, com um atraso das verbas porque o investimentos, em termos de obra, foi grande. Em princípio, o que ficou acordado foram os mesmos valores que recebíamos há dois anos, aquando da nossa última vez no campeonato distrital.”

Os jogadores começaram a trabalhar a semana passada e vão fazê-lo todos os dias até ao arranque do campeonato, que acontece a 25 de setembro.

O técnico desta equipa, José Carlos Afonso, admite que o arranque tardio é prejudicial, mas um mal menor quando comparado às vantagens que as intervenções no complexo desportivo vão trazer:

“É evidente que sim. Estamos a tentar recuperar o tempo perdido porque três semanas antes de começar a época é relativamente pouco para preparar uma equipa.

Sabemos que hoje em dia os jogadores já não têm a mesma filosofia de antigamente. Já levam para casa, durante as férias, trabalhos específicos para depois chegarem aqui de uma forma diferente.  Mas tenho estado contente com o que os jogadores têm trabalhado.
Há males que vêm por bem e a parte positiva é substancialmente melhor, na medida em que vamos ficar com um complexo fantástico, com a relva em condições, finalmente, pois já há anos que havia dificuldades por causa da canalização que fazia com que houvesse água espalhada e a relva nunca esteve bem.

O plantel ainda não está fechado e o foco é fazer uma equipa competitiva, priorizando a prata da casa:

“Tínhamos que fazer bastante alterações, visto que a equipa que estava no Campeonato de Portugal tinha situações diferentes, desde logo o campeonato que não é igual, assim como as regras. Mas continuamos na mesma filosofia, optando primeiro por jogadores da terra, aqueles que, eventualmente, estão na formação e vão continuar, como são exemplos o Batista, o Lino, que são ex-juniores, mas temos também o Duque, que é uma guarda-redes promissor, o Tiago Fernandes, e outros que, hipoteticamente, possam aparecer quando começarem os juniores.

Do ano passado existem jogadores que ficaram, como é o caso do Pedro Fernandes, o Rúben, o Edra e o Corunha, pois não havendo Campeonato de Portugal aqui perto, o Corunha é da casa.
Este ano não há nenhum jogador, sendo de Macedo, que possa dizer que não entrámos em contacto com ele.”

Do plantel do ano passado, vários jogadores já não vão fazer parte do projeto esta época.

Este ano, o Atlético vai partilhar instalações com Os Lusos Macedo de Cavaleiros SAD, o mais recente clube sediado em Macedo, que vai competir também no Campeonato Distrital da Divisão de Honra Pavimir.

Neste momento, os dois clubes estão em conversações para tentar fazer uma parceria, como explica o presidente do CA Macedo, João Saraiva:

“A presença desta equipa é uma mais-valia e traz mais competitividade ao nosso campeonato.

O Clube Atlético de Macedo não foi comprado, como eu já ouvi por aí, não há SAD nem está à venda. Vai manter-se exatamente igual ao que estava.
Podemos é vir a tirar dividendos no futuro, numa parceria com este clube, sendo que só tem jogadores de formação e é esse o protocolo que vamos tentar fazer, no sentido de podermos vir a ter atletas deles na nossa formação, adquirir os conhecimentos que eles têm, porque é uma estrutura que, tenho a certeza que é séria, bem projetada, idealizada e, no fundo, não prejudica os nossos atletas, muito pelo contrário.
Pode ajudar a termos outro nível de atletas, com outra formação de alto rendimento, com o estudo, formação e aprendizagem da prática do futebol incluídos, assim como um intercâmbio no sentido de eles virem cá e nós irmos lá.
Estamos em reuniões e conversações nesse sentido, salvaguardando sempre os interesses do CA Macedo.”

De acordo com João Saraiva, todas as receitas da bilheteira, do bar e merchandising vão continuar a reverter para o Clube Atlético de Macedo de Cavaleiros.

A equipa de Iniciados, que este ano disputa o Campeonato Nacional da II Divisão, começa a jogar este domingo e vai ao encontro do Chaves. Ao contrário do que acontece na equipa sénior, em que as três primeiras jornadas vão ser disputadas em casa do adversário, devido às intervenções no relvado, no caso desta equipa vai decorrer normalmente, utilizando o campo do Estádio Municipal como previsto.

Também este domingo, a equipa sénior do CA Macedo vai ao encontro do Clube Desportivo de Gouveia para um jogo amigável, que servirá para a equipa anfitriã apresentar o plantel.

Escrito por ONDA LIVRE

pré-época ca macedo 2022

IMG_2225

Relacionados

Comentar